Requalificação do Porto de Pipas vai servir várias vertentes da economia ligada ao mar, afirma Ana Cunha.

 

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas afirmou hoje que a empreitada de construção da rampa para navios RO-RO e Ferry e das obras complementares para melhoramento da operacionalidade e do abrigo no Porto de Pipas vai dotar Angra do Heroísmo de “condições que servirão várias vertentes da economia ligada ao mar”.

Ana Cunha, que falava na cerimónia de assinatura do contrato da empreitada, frisou que o Governo dos Açores se “empenhou na requalificação deste porto”, manifestando a certeza de que “esta obra irá traduzir-se numa enorme vantagem para esta cidade e para este concelho, bem como para a ilha Terceira e para os Açores”.

A obra, cujo investimento ascende a cerca de 14 milhões de euros, tem um prazo de execução de 24 meses, apresentando como uma das suas principais mais-valias a concretização do pleno aproveitamento da ‘Linha Lilás’, no transporte marítimo interilhas, já que a rampa RO-RO permitirá embarcar e desembarcar viaturas dos navios ‘Gilberto Mariano’ e ‘Mestre Jaime Feijó’.

“Esta rampa RO-RO será também a última de um ciclo construído ao longo dos últimos anos na Região, ficando os Açores dotados de rampas RO-RO em 11 portos, em oito das nove ilhas”, frisou a Secretária Regional, ressalvando ainda que o aumento do cais acostável no Porto de Pipas permitirá a utilização desta infraestrutura por navios de cruzeiro temáticos ou de expedição.

“Criadas estas condições, Angra do Heroísmo verá reforçado o seu posicionamento como um grande atrativo para o setor dos cruzeiros temáticos, potenciando não só a ilha Terceira, mas todos os portos da nossa Região”, adiantou Ana Cunha, acrescentando que o Governo Regional, através da Portos dos Açores, tem trabalhado para afirmar o arquipélago como um destino de cruzeiros.

A Secretária Regional salientou que “o trabalho não termina com a obra feita”, frisando que “serão também realizadas diversas iniciativas para captação de novas escalas, de novos navios, para este porto”.

Nesse sentido, destacou que os Açores dispõem, “por tudo o que representam, de uma enorme atratividade para este setor”, sendo que atualmente os cruzeiros temáticos já percorrem a maioria das ilhas do arquipélago e permanecem uma semana na Região.

“Nalguns casos, os Açores são mesmo ponto para a entrada e saída de passageiros, o que acarreta mais-valias para a economia, com viagens de avião, estadias em hotéis e aluguer de viaturas”, disse, frisando que, “com as condições com que o Porto de Pipas vai ficar dotado, teremos mais uma importante valência para os armadores que desenvolvem a sua atividade nos Açores, que passam a ter três portos capazes de servir de porto de referência a estes navios”.

Ana Cunha realçou ainda que esta empreitada trará também um aumento da capacidade da Marina de Angra do Heroísmo no âmbito da náutica de recreio, o que potenciará também a economia ligada a este setor e o desenvolvimento de novas oportunidades de negócio na área dos serviços conexos.

Para a Secretária Regional, esta empreitada é mais uma prova do esforço realizado pelo Governo dos Açores na melhoria e requalificação das infraestruturas portuárias existentes, potenciando o seu uso para os diversos operadores nas mais variadas vertentes, desde o tráfego interilhas até ao turismo de cruzeiros, sendo que com esta intervenção é dado “mais um passo importante para a concretização da obra que constitui um dos objetivos do Programa de Governo”, na rentabilização das infraestruturas portuárias.

GaCS/HB